Arquivo para setembro, 2015

Desamor

Posted in Uncategorized on setembro 17, 2015 by gilknup

sangue

Ainda sinto a sua falta
Mas eu sei que já era
Só não quero que tenha rancor
E saiba que algo novo nos espera

Foi sincero da minha parte
Tudo que aconteceu
Valeu a pena de verdade

(giL)

Anúncios

Você não manda em mim

Posted in Uncategorized on setembro 17, 2015 by gilknup
deitar e fazer nada
Não tô afim de fazer nada agora
Pra tudo tem sua hora
E agora é hora
De ficar deitado
Morgado, ouvindo música
E fumando um baseado
Procrastinando e deixando pra depois
Tudo aquilo que eu acho um saco.
FODA-SE !!!
(Gilcélio)
(Sendo um preguiçoso chato, será que não posso? Ainda mais em um dia de chuva e com a vida confusa)

Devaneio paradoxal

Posted in Uncategorized on setembro 14, 2015 by gilknup

dolk ladrão de coração

Já disse tudo que eu tinha a te dizer
mas você não !!!
E irá ficar por isso mesmo
eu não vou saber e você não vai dizer
e todo nosso tempo juntos iremos perder
Foda-se.

Aqui? Já fiz tudo que eu tinha pra fazer
Agora é só repetimento, mesmos acontecimentos
a vida passa e com o tempo essas coisas não tem a mesma graça

Agora? Num sei, mas estou aqui para resistir
ir até o fim
E produzir aquilo que me deixa feliz
com quem me deixa assim

Depois? Sei lá, to nem ai
Espero que um cometa caia na terra
E faça tudo explodir

Ontem? Já foi
ainda sinto, mas irei desconstruir
o que ficou pra trás, agora não estou afim
Quero algo novo, que goste de mim
mesmo sendo assim, louco, tosco
sentimental, chato, bêbado, desastrado
distraido, bizarro, alienigena, romântico
e sofredor, foda-se, foda-se, foda-se !!!

Obrigado a você que existe
consegue me fazer sorrir
E continuar a estar aqui.

(Gilcélio)

Que a vida vala a pena

Posted in Uncategorized on setembro 11, 2015 by gilknup

sai

Que as luzes se apaguem
Que as máquinas parem
E que as tecnologias se explodam
De tantas informações e pessoas

Que volte tudo ao zero
E que o curso natural das coisas
Nos tragam um fim e um novo começo

Que tudo se acabe, nos engula
e nos leve para outro mundo
Onde possamos ir além disso tudo

Que a ambição e a vaidade
Sejam esquecidas
Que o ódio e a revolta
Não seja mais tão necessário
E que o amor e o sentir
Seja vivido como se fosse o último dia
Transformando toda nossa dor e agonia
Em poesia

Que a vida vala a pena
Não nos destrua
Nos beija.

(Gilcélio)

O tempo tudo destrói

Posted in Uncategorized on setembro 3, 2015 by gilknup
teempo
Quero que se foda o relógio
O calendário, o resultado
O burocrático, o obrigatório
O adequado e o passado
 
As pessoas se preocupam tanto com o amanhã
Sendo que o hoje ainda nem acabou
O que era pra ter sido feito ontem
Agora já se passou
 
O agora é o que importa
Mas o ontem ainda não foi embora
E o amanhã? É você que faz
Talvez nem chegue
Se pá nem vai.
 
(Gilcelio)