Arquivo para outubro, 2014

Vizinho

Posted in Uncategorized on outubro 6, 2014 by gilknup

crust girl

talvez o mundo lhe pareça pequeno
talvez essas calçadas te satisfaçam
e essas pessoas que passam
lhe sejam suficientes.
Mas não se espante
se eu te mostro o contrário:
esse mundo é gigante!

Talvez eu cante, dance, te encante
Amanheça com outro ser amante…
E você talvez não entenda
O quanto me importa ocupar esses cantos
E do pássaro o canto compartilhar.
Esse grito da cigarra me renasce
Mas a da outra rua também há de soar

Vizinho,
não me olhe assim
se escorro tua normalidade pelos dedos
se eu digo que é bonito ter pelos
E amar quem eu quiser.

Não me olhe assim
se bagunço tua moral branca
quando passo com um corpo preto.
Se eu te mostro que assim como você,
eu tenho peitos
e que com muitos me deito,
e de tão amores, não me importa o gênero.

Vizinho,
não se assuste demais
se eu te contar que suas drogas é que são pesadas
que seu refrigerante te mata
e o que nasce na mata, verde
é o que você proibindo maltrata.

Vizinho,
eu não entendo: por um beijo tanto alvoroço
se somos todos de carniosso
e não entendo, se tão semelhantes somos
ainda te incomoda
meu corpo, meus afetos
Me afetam tuas regras

Vizinho,
tem mulher gozando enquanto você reza
enquanto gasta água pra limpar sua calçada
que é pequena, mas enorme fica diante da seca nordestina
que também nos destina.

Se espante agora, vizinho
e repara quão longo é esse caminho
Quem sabe, feri sua moral heterocristãbranca
mas sou ferida desde criança
E depois de tanto texto, falará:
“Ela não cansa!?”
E eu canso, te digo
Cansei, e é por isso
E meio livre assim, o mundo é mais bonito
é mais meu, e eu sou mais mundo

Desculpa por tanto tempo que passei mudo
Mas havia uma coisa.
Uma muda que permiti brotar em mim,
e que agora grita: MUDA!

(Júlia)

Alienígena

Posted in Uncategorized on outubro 1, 2014 by gilknup

alien

Me sinto um alienígena
Diante de todos os iguais
E diante dos diferentes também
O que eu quero eles não se importam
E o que eles querem, eu neeeemmm…

Mas não to nem aí
Prefiro ser assim
Fazer o que estou afim
Junto de quem gosta de mim

Mas ser um alienígena é zica
Quando se está com pessoas vazias
Gente que te discrimina
Somente por ser o que quer ser
Viver como quer viver

Independente do que querem pra você

Somos todos iguais em direitos
de liberdade, igualdade e justiça
Mas podemos ser também diferentes
Nas escolhas que fazemos para nossas vidas

Não quero para mim
Viver e morrer numa rotina
Mas vagar por ai
Sentindo a liberdade
Como fruto de minha energia

Se você achar isso uma bizarrice
Faço questão de ser um alienígena.

(Gilcélio)