Arquivo para janeiro, 2014

Todas las armas son buenas.

Posted in Uncategorized on janeiro 24, 2014 by gilknup

mail-300x163

En la lucha de classes
Todas las armas son buenas
Piedras
noches
poemas

(Paulo Leminski)

ASÍ SE ENAMORA UN ANARQUISTA…

Posted in Uncategorized on janeiro 24, 2014 by gilknup

A

No me enamoro por caras
me enamoro por voces
y por palabras.

Me cuesta trabajo hacerlo
y no porque lo busque
si no porque no lo encuentro.

Me enamoro de los labios
que saben decir desobediencia
me enamoro de las manos
que arduo trabajan por la libertad.

Me enamoro de los ojos
que trazan un mundo mejor
me enamoro de las mentes
que no callan ni mienten
de las mentes que incendian alrededor.

Busco sonrisas en casas abandonadas
busco caricias en difíciles batallas
busco besos sin fin tras las barricadas
busco amor en tu mirada
anarquía en tus palabras.

No me enamoro complicado
me enamoro libre
entre fuego y llamaradas
me enamoro y amo
como sólo puede amar un encapuchado
que también ama la autonomía.

Así se enamora un anarquista…

(Zaide)

Ano Novo

Posted in Uncategorized on janeiro 24, 2014 by gilknup

996073_728371640509386_395737802_n

No Vale do verde enlouquecer
vejo o ano de 2013 morrer
A o som da cachoeira
Tomo banho de rio
Fumo baseados
Bebo vinho barato

Para todos os lugares que olho
Fico encantado
A natureza e sua essÊncia
Mostrando sua existência

Diante de toda essa beleza
Me surge certezas
Que o meu coração Grita a cada dia
Por uma vida sem rotina
Onde eu possa sentir liberdade
E amor pela vida

Os meus planos Serão sentir
Deixar aquilo que me faz bem
Vir até mim
Abraçar e sorrir
Combater e existir
Beijar a lua                                                                                                                                                                                                                                                            Conquistar as ruas.

(Gilcélio)

Perdido em algum lugar lindo

Posted in Uncategorized on janeiro 24, 2014 by gilknup

salto_do_rio_preto_em_alto_paraiso

Ao som do rio
Me sinto vazio
Como se estivesse faltando algo
para estar aqui comigo

Fumo um baseado
E escrevo em meu diário
Não penso em nada
Que possa ser chato

Dessa vez estou lúcido
Posso sentir melhor sua grandeza
Obrigado por existir
Mãe natureza

(Gilcélio)

Melancolia

Posted in Uncategorized on janeiro 23, 2014 by gilknup

fantasma-da-depressc3a3o.jpg

Será que estou dando murro em ponta de faca?
Quando busco algo bonito
Nesse mundo injusto e cheio de farpas

A utopia me ilumina
mas a realidade me desafia
Me impõe ter algo
Quando só quero estar ao seu lado.

Ser livre é o que preciso
Amar para não se sentir vazio…

Sonhar para continuar
E negar o conformismo…

Não sei muito bem o porquÊ
Nem o que devo fazer
ideologia
boêmia
punkeragem
poesia
Tudo isso me leva
leva, leva, leva
leva….
Para lugares onde eu possa sentir vida.

Espero que nada disso
seja mais uma mentira

(Gilcélio)

Poeta bêbado

Posted in Uncategorized on janeiro 23, 2014 by gilknup

buckosviski-destaque

Nunca conheci 
um só poeta sóbrio 
Estão sempre bêbados

Bêbados de paixão
Bêbados de cerveja
Bêbados de angustia
Bêbados de sonhos
Bêbados de anseios 
Bêbados de solidão

Ah poesia! 

Cachaça do povo 
Cachaça do homem
Cachaça da vida

Queima a goela!
Rasga a carne!
Dilacera a alma!

(Mauro José Amorim)

Retrato.

Posted in Uncategorized on janeiro 23, 2014 by gilknup

1619631_684155031605948_843061119_n
A bruxa da gargalhada amaldiçoada.
Cigana de cabelos imundos praguejando com dentes de ouro.
Prostituta que rouba e queima vivo o explorador.
Anciã feiticeira, benzedeira e temida.
Menina que foge de casa a procura de liberdade.
Beata pecadora que se masturba na varanda.
Mendiga de unhas podres e bafo de cachaça.
Dissimulada de mente fértil e olhos doentes.
Mulher subversiva, barulhenta com a vagina dentada.
Sapatão perseguida por amar a mocinha.
Criança de rua que afoga as bonecas nas poças de lama.

Sempre uma causadora de ódio.
Sempre uma receptora do caos.
Sempre à margem do que tenta limitar.

(grazi)

Fonte: Página Feminismo Poético.